”A gente precisa parar de ser o estado do remendo”, ironiza Miguel


Em uma entrevista de mais de duas horas, o candidato a governador Miguel Coelho falou, nesta quinta (11), sobre suas propostas e vários assuntos de interesse da população pernambucana. O ex-prefeito de Petrolina reclamou da atual situação de retrocesso em vários setores como emprego, segurança pública, saúde e o avanço da miséria em Pernambuco.

Miguel falou para o podcast da plataforma “Recife Ordinário” que o PSB transformou Pernambuco num estado do remendo e da fome. O candidato do União Brasil citou como exemplo a situação degradante do Hospital da Restauração, que já registrou a queda do teto de uma ala entre outros episódios.

“Esse atual governo é muito ruim de serviço. Quando caiu o teto da Restauração todo mundo ficou chocado. Todo mundo cobrou, inclusive eu, a reforma da Restauração. Aí o governo lança uma licitação de R$ 1,5 milhão. Isso não conserta um hospital daquele tamanho. Então, a gente precisa parar de ser o estado do remendo. É um probleminha e remenda aqui, um probleminha vai ali, de pouquinho em pouquinho, e a gente não consegue fazer nada bem feito, nada grande. Esse povo que está querendo nos apequenar. Não podemos aceitar”, criticou o candidato a governador.

Miguel também falou sobre o desafio do transporte público na região metropolitana. O candidato lembrou que enfrentou um monopólio de décadas quando foi prefeito e que vai trabalhar para melhorar o serviço no Recife. “Em Petrolina, a gente mudou a mobilidade. Tiramos a empresa de ônibus que estava há 40 anos, tudo sucateado. Conseguimos ônibus novos, sem aumentar preço da tarifa. Dá para fazer. Basta colocar como prioridade e não ter medo de enfrentar o problema.”

  • Últimas Notícias

  • Vagas de Empego

  • Publicidade