22º Festival Tipóia começa hoje

Evento conta com uma programação 100% pernambucana, que inclui oficinas, mostra audiovisual em escolas de áreas rurais, lançamento de álbum, e apresentações culturais, gratuitas, preenchida por artistas negros e indígenas, da cidade e região.


A partir desta segunda-feira (7) até domingo (13), a cidade de Tracunhaém – Capital Estadual da Cerâmica, na Zona da Mata Norte de Pernambuco, vai ser sede da 22ª edição do Tipóia Festival.  O tema da vez é: “Levantando poeira” – uma maneira de festejar à retomada do evento que passou dois anos suspenso em razão da pandemia.  A programação, recheada de atividades culturais gratuitas, busca apresentar manifestações e tradições afro-brasileiras e indígenas, presentes na região. Durante sete dias, o projeto vai circular por praças, escolas, ruas e avenidas, da área urbana e zona rural, levando diversão e alegria. Nesta edição, o evento reúne cultura popular, música independente, batalhas de MC’s e Breaking, encontro de bateristas, mostra audiovisual e lançamento de álbum; além de oficinas de cerâmica, rabeca e arte. A ação se soma às atividades do Mês da Consciência Negra no Estado. 

O festival conta com uma programação 100% pernambucana, composta por artistas indígenas, negras e negros, da cidade e região. Zeca Cirandeiro e a Ciranda Popular de Paudalho; Neuro Roots (Olinda); Lambaero – 15 anos (Nazaré da Mata); Cássio Oli (Igarassu); Épiko’s (Timbaúba), são algumas das atrações que prometem animar o público. Está prevista também a participação da Sambada de pé de parede entre os mestres Erick Moraes e o contramestre Maurício, do Maracatu Estrela de Tracunhaém; e a Ciranda Bela Rosa, do Mestre Bi (Nazaré da Mata); entre outros. Destaque para o show “Afonjah e Isaar na África”, que irá se apresentar no festival, após turnê em Moçambique e África do Sul.

A programação prevê também atividades recreativas para o público intergeracional, como a mostra de vídeos artísticos-culturais. A proposta do festival, contemplada com o Edital do Funcultura, da Secretaria de Cultura do Governo do Estado, também vai ofertar oficinas de artesanato em cerâmica com mestre Valdik; e oficina de rabeca ministrada pelo rabequeiro Dinda Salu.  Entre os destaques desta edição está o espaço para o rap, com o Palco Tipoia Hip Hop, que acontece em parceria com a confecção Nordeststreet e outras organizações dessa expressão no estado. 

Neste ano, o festival apresenta Batalha de MC’s e a Batalha de Breaking, por fim, pocket show GDF. As apresentações serão realizadas na estrutura montada em frente à Praça Costa Azevedo, Centro de Tracunhaém, com início às 14h. Outra novidade é a estreia do álbum “Cidade do Barro”, de autoria do músico, compositor e produtor cultural, Sid3. A nova produção sonora mescla sustentabilidade, cultura e história, com reflexão as sonoridades captadas ao dia-a-dia, como na produção das peças de cerâmicas, sons gravados nas Olarias de Tracunhaém, conversas com os Mestres Artesãos, o som do trabalho manual, da queima das peças no forno, da pisada do barro e dos instrumentos musicais feitos de barro. Incentivado pelo Fundo Pernambucano de Incentivo à Cultura (Funcultura), a nova produção acontece na noite do sábado, 12 de novembro, na Praça Costa Azevedo, Centro de Tracunhaém, a partir das 21h. 

O festival ainda traz para o público uma oficina de cerâmica: aprendendo a fazer fazendo, que tem como proposta capacitar e formar adolescentes, jovens e adultos para para o ofício da olaria – uma das principais atividades econômicas ligado ao município de Tracunhaém. A oficina tem caráter técnico e de demonstração, e acontecerá nas dependências do ateliê do Mestre Valdik.  Todas as produções artesanais dos participantes farão parte de uma exposição ao final da oficina.  O período das aulas será de 07 a 10 de novembro, no horário das 14h às 16h.

Outra oportunidade para o público é a “Oficina de Rabeca” – instrumento musical que traz elementos da sonoridade da Zona da Mata Norte. A formação tem como finalidade repassar técnicas de sonoridade das tradições de cultura popular da região, como cavalo marinho e forró, por exemplo.  Os conhecimentos serão repassados pelo rabequeiro, cantor e compositor, Dinda Salu – décimo segundo filho do mestre Salustiano – um dos ícones da cultura popular na zona canavieira, de quem herdou os ofícios de rabequeiro, cantor e compositor. A capacitação é destinada para 15 pessoas, no período de 10 e 11 de novembro, das 15h às 18h, na Oca. 

  • Últimas Notícias

  • Vagas de Empego

  • Publicidade