Vice da chapa do prefeito de Timbaúba tem nome citado na Operação Lava jato

As irregularidades atribuídas a Erico Tavares devem ser julgadas pela 13ª Vara Federal de Curitiba.


erico_eduardoNo dia em que teve a sua candidatura homologada ao cargo de vice-prefeito, na chapa do atual prefeito de Timbaúba, Érico Tavares de Souza (PP), teve o seu citado pelo Procurador Geral da República, Rodrigo Janot, na Operação Lava Jato.

Érico teria recebido uma doação de R$ 150 mil, do diretor executivo da Petrobras, Djalma Rodrigues de Sousa, que é seu tio. A doação ocorreu no ano de 2010, quando Érico concorreu pela segunda ao cargo de deputado estadual de Pernambuco, na época pelo PTC.

O pagamento teria sido negociado através do deputado federal, Eduardo da Fonte (PP), como forma de favorecer a UTC Engenharia nas obras do CoquePar, que seria construída para fazer o processamento de coque da Petrobras. A obra nunca saiu do papel.

R$ 300 mil foi o valor cobrado por da Fonte para agilizar o processo em prol da empresa. A propina, cobrada pelo deputado, foi paga em duas parcelas sendo metade destinada a ele e a outra paga a Érico.

Segundo o presidente da UTC, Ricardo Pessoa, ainda que tenha havido o pagamento de R$ 300 mil, Eduardo da Fonte lhe aplicou um “passa-moleque”, porque as obras jamais se efetivaram.

Na denúncia, Janot afirma que Eduardo da Fonte foi apresentado a Ricardo Pessoa por Djalma Rodrigues de Souza como um deputado que poderia ajudar a UTC a ganhar contratos no âmbito da chamada Petrocoque, controlada pela Petrobras.
Em colaboração premiada que detalha o esquema, o presidente da UTC contou que recebeu deles a proposta do pagamento de propina para que a construtora tivesse preferência nas obras da Coquepar.

Depois de reuniões na sede da construtora em São Paulo, foi estabelecido o valor da propina. Segundo a denúncia, Ricardo Pessoa pagou R$ 300 mil solicitados por Eduardo da Fonte, sendo R$ 100 mil em espécie e R$ 200 mil em doações oficiais ao diretório estadual do Partido Progressista em Pernambuco, valor repassado à sua campanha de 2010 para o cargo de deputado Federal.

A Procuradoria aponta que Ricardo Pessoa apresentou documentos para confirmar o pagamento da propina.

Para Janot, a UTC realizou a proposta e os projetos correspondentes às obras na expectativa do cumprimento do acordo, investindo dinheiro para vencer o futuro contrato que lhe seria direcionado, mas as obras jamais se efetivaram. “A UTC não foi contratada para fazer as obras da Coquepar (porque nunca existiram) e Eduardo da Fonte nunca devolveu a vantagem indevida de R$ 300 mil”, diz.

O procurador-geral da República sustenta que metade do valor pago foi repassado por Eduardo da Fonte a um terceiro indicado por Djalma Rodrigues: R$ 150 mil, em dois cheques (de R$ 50 mil e R$ 100 mil), pagos em 2010, em doações oficiais a Érico Tavares de Souza, candidato a deputado estadual em Pernambuco pelo PTC e sobrinho de Djalma Rodrigues. Essas informações constam no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que registra as receitas para a campanha de Érico Tavares.

Apesar de negarem que tenham ido juntos à sede da UTC Engenharia para a reunião com Ricardo Pessoa, há testemunhas que confirmam a presença de Eduardo da Fonte e Djalma Rodrigues. Além disso, há outros elementos que demonstram a ida de Eduardo da Fonte a São Paulo diversas vezes durante o período dos fatos.

As irregularidades atribuídas a Ricardo Pessoa e Érico Tavares de Souza devem ser julgadas pela 13ª Vara Federal de Curitiba.

  • Últimas Notícias

  • Vagas de Empego

  • Publicidade