Setor canavieiro de Pernambuco prepara manifestação em frente ao Palácio do Governo


Na próxima terça-feira (1º), o setor canavieiro pernambucano, liderado pela Associação dos Fornecedores de Cana de Pernambuco (AFCP), deixará a Zona da Mata em direção ao Palácio do Campo das Princesas, no Recife, sede do Governo Estadual. O segmento informa que realizará a manifestação contra a nova postura do governador Paulo Câmara que prejudicará o desenvolvimento de várias cidades com vocação econômica canavieira ao restringir somente para nova usina Cooaf-Sul os benefícios fiscais de leis estaduais voltadas a usinas cooperativadas por agricultores.

“Nossa reivindicação é que o governador reveja o impeditivo criado agora e somente para a CooafSul, mesmo com os benefícios das leis 16.505/18 e 15.584/15 vigentes até 2022” diz Alexandre Andrade Lima, presidente da AFCP. Estas legislações criadas pelo governador revolucionaram o setor sucroenergético na esfera ESTADUAL E nacional, pois permitiu a reabertura de usinas em PE, enquanto várias fecharam no Brasil desde 2015. De forma prática, tais leis estimulam que os plantadores de cana formem suas cooperativas, arrendem e reativem várias usinas fechadas, ajudando assim no aquecimento do comércio do local, gerando milhares de empregos diretos e indiretos e milhões de reais em ICMS de volta para PE através da produção de açúcar e etanol pelas usinas cooperativadas.

Em Pernambuco, por exemplo, já existem duas cooperativas que provam os efeitos socioeconômicos positivos para toda Zona da Mata Norte e Sul por conta dessas legislações fiscais em favor do cooperativismo do setor sucroenergético no estado. São elas: a Coaf que reativou em 2015 a usina Cruangi em Timbaúba, e a Agrocan que reabriu em 2014 a usina Pumaty em Joaquim Nabuco. Juntas, geraram 7,5 mil postos de trabalho diretos nos parques fabris e nos canaviais dos milhares de cooperados. Na safra passada, geraram mais de R$ 20 milhões em impostos para Pernambuco.

“Esperamos que o governo retome o seu perfil de grande incentivador das usinas cooperativadas pelos fornecedores de cana e não exclua Ribeirão e região do entorno dos mesmos benefícios para CooafSul, previstos em leis vigentes, de modo a viabilizar a usina para que possamos promover nossa região os mesmos avanços socioeconômicos para a população em geral, conforme verificados nos locais onde estão a Coaf e a Agrocan”, reivindica Carlos Antônio Cézar (Cacá), que é o presidente da CooafSul.

Em vídeo endereçado a todas Associações de Plantadores de Cana nos estados produtores do NE, o presidente da União Nordestina da classe, José Inácio, convoca as entidades e segmento para aderirem ao protesto em defesa da igualdade dos benefícios da lei também para a Cooaf-Sul. Inácio garante que estará presencialmente na manifestação ao lado da AFCP e dos agricultores e trabalhadores envolvidos no nova cooperativa. “Tenho esperança que Paulo Câmara, governador socialista e que pensa nos pequenos produtores rurais e trabalhadores continuará estimulando o emprego, a renda e o desenvolvimento socioeconômico”, realça Inácio.

  • Últimas Notícias

  • Vagas de Empego

  • Publicidade