Opinião: Representantes do grupo de Michel Temer em Pernambuco participam de evento em Lagoa de Itaenga


Na tarde do último Sábado, dia 14, o senador Armando Monteiro (pré-candidato ao governo de Pernambuco pelo PTB) e o ex-ministro de Temer Mendonça Filho (pré-candidato ao senado pelo DEM) estiveram em Lagoa de Itaenga participando de um evento político no qual foram apresentados como pré-candidatos do ex-prefeito de Lagoa de Itaenga Lamartine Mendes.

É importante destacar que Armando Monteiro fundamentou a sua pré-candidatura numa aliança com um grupo ligado diretamente ao presidente antipovo Michel Temer: Mendonça Filho; Bruno Araújo; Fernando Bezerra Coelho, Fernando Bezerra Coelho Filho etc.

Todos esses nomes votaram a favor, defendem e representam medidas (pautadas por Temer) que prejudicam os trabalhadores brasileiros e, consequentemente, o povo pernambucano e itaenguense: Reforma Trabalhista; Reforma da Previdência; Terceirização Irrestrita; PEC do Teto dos Gastos Públicos… Todas estas medidas vão na contramão dos interesses coletivos, servindo apenas aos interesses do grande empresariado brasileiro e internacional e para a manutenção de um modelo político que parasita a população do nosso país.

Aproveito aqui para ressaltar que entendo que Paulo Câmara faz um governo horrível, marcado por profunda incompetência e quase paralisia do funcionamento de alguns setores, a segurança pública está aí como um dos piores exemplos deste governo. Contudo, enquanto Paulo Câmara tem prejudicado os pernambucanos nos últimos 3-4 anos, esse grupo, que de representação de mudança só tem o slogan, faz mal ao nosso povo praticamente por toda a sua trajetória política.

Armando Monteiro, por sinal, além de ter votado a favor e defender as medidas acima citadas, a exemplo da Reforma Trabalhista e Reforma da Previdência, ao longo da sua vida pública tem um histórico de causar arrepios e repulsão nos trabalhadores. Segue texto abaixo:

“O então deputado, e presidente da CNI (pequena e necessária alteração minha), Armando Monteiro desde 1999, vota contra o povo e os trabalhadores pernambucanos. Começou com a votação do Fator Previdenciário (1999), que restringiu a concessão de aposentadorias.

No mesmo ano, votou a favor do projeto que dificultou o acesso dos trabalhadores à Justiça do Trabalho e diminuiu os direitos adquiridos pelos funcionários públicos de todo o Brasil.

Os votos contra os funcionários públicos não ficaram apenas nisso. O deputado Armando Monteiro também votou contra o direito de ampla defesa dos servidores públicos demitidos.

Ainda 1999, votou contra o projeto que isentava os trabalhadores de empresas privadas dos custos pelo arquivamento de ações trabalhistas.

No ano seguinte, continuou votando contra os trabalhadores e o povo de Pernambuco. Por isso que votou contra o aumento do salário mínimo e ao combate ao nepotismo, um projeto que proibia o empreguismo de parentes.

E, nem os trabalhadores rurais escaparam dos votos do deputado Armando Monteiro. Em 2000, ele votou a favor de diminuir o prazo para que os trabalhadores do campo reclamassem os seus direitos trabalhistas. ” (trecho de texto do ex-parlamentar do PSDB Sérgio Guerra (falecido em 2014), com o qual, Inclusive, também nunca tive nenhuma afinidade política, mas cujo texto é oportuno ao que quero externar em relação a Monteiro Neto).

Alguns aliados de Armando, para tentar amenizar a sua imagem de inimigo dos trabalhadores diante do eleitor de Lula, costumam lembrar, dentre outros poucos fatos, que ele votou contra o impeachment da presidenta Dilma e que isso demonstra a sua lealdade ao ex-presidente. Porém, se, por um lado, Monteiro, talvez, demonstrou respeito e lealdade a Lula, por outro, na sua trajetória política não tem demonstrado o mínimo de respeito e lealdade aos trabalhadores brasileiros e pernambucanos.

Ao meu ver, na política não precisamos de quem tem lealdade a homens, mas sim daqueles que tem fidelidade a ideias e princípios e ao povo que o constituiu autoridade, todavia, olhando para homens como referência, vemos que nas atitudes e na visão política, “Armando está muito mais para Temer do que para Lula.”

Encerro essa minha reflexão reforçando que, de fato, Pernambuco precisa mudar, que a nossa gente já não aguenta mais esse governo desastroso de Paulo Câmara, mas que não se pode mudar de qualquer jeito, não se deve trocar um oportunista incompetente por um representante de forças que atuam na política iludindo o povo com migalhas, enquanto retiram os seus direitos para garantir mais privilégios àqueles que já são demasiadamente privilegiados.

A mudança que Pernambuco precisa virá com “M maiúsculo” e de “MULHER”.

Luis Vicente – Vice-presidente do PT de Lagoa de Itaenga – PE.

  • Últimas Notícias

  • Vagas de Empego

  • Publicidade

  • Black Friday